O substantivo quebra-cabeça se refere a um jogo de encaixe de peças para formar uma imagem. Tal jogo auxilia no estímulo da capacidade cognitiva, criativa e interação social.

Montar pequenas peças, ter atenção aos detalhes, formar um painel, o quebra-cabeça é um jogo que pode ter de um grau simples de dificuldade a exigir grandes habilidades para ser jogado. O grau de estímulo que ele pode proporcionar ao cérebro é de fundamental importância, uma vez que, de modo geral, o cérebro precisa se manter em constante atividade para que suas conexões estejam em perfeito funcionamento.

O quebra-cabeça reforça as conexões existentes do cérebro e incentiva a formação de novas ligações. Com isso, ajuda a melhorar a atividade e a agilidade mental. Ele estimula tanto o lado esquerdo do cérebro, com a lógica e racionalidade, quanto o lado direito, com a criatividade e a visão artística da obra. Pensando no lado intelectual, esta é a grande contribuição do jogo, porque incentiva diretamente as habilidades cognitivas.

Outro benefício da atividade é a relevância para o estímulo da memória, pois ele trabalha, principalmente, a de curta duração, lembrando as formas, cores, traços, encaixe e a visão completa da figura a ser reconstruída.

O quebra-cabeça tem sua relevância no ambiente de trabalho.

O foco e a atenção aos mínimos detalhes de formato e cores também são importantes para procurar o encaixe correto das peças. Essa mesma atenção ajuda tanto na vida pessoal, quanto profissional, pois é possível estar atento aos detalhes para a solução de possíveis problemas.

A habilidade de ser criativo e poder responder uma questão de forma diferente são muito valorizados e isso pode ser treinado com o quebra-cabeça. Durante o jogo, para formar o painel, a pessoa precisa fazer uma série de tentativas de erros e acertos, até conseguir a combinação correta, elaborando teorias, testando hipóteses e mudando a sua perspectiva quando algo não dá certo. E isso leva a pessoa a ser mais adaptável e inovadora em diferentes ambientes.

A visão espacial, ou seja, a capacidade de avaliar como os objetos são organizados no espaço e a sua relação com o ambiente também é trabalhada com o jogo. Ao ter que se recordar da imagem completa e preencher os diferentes espaços até completá-la, o jogador é levado ao melhor desenvolvimento dessa capacidade.

Isso auxilia que a pessoa seja, por exemplo, melhor motorista, preste mais atenção à sinalização e a localização dos objetos com mais facilidade ou até mesmo uma vaga no estacionamento. Ajuda também a imaginar quantos objetos cabem numa caixa, mala ou outros espaços. Essa habilidade é importante em várias carreiras, como arquitetura, química, engenharia, cirurgia, atividade artística e entre outras.

Já a resolução de um quebra-cabeça em grupo aumenta a interatividade, comunicação e cooperação entre colegas de trabalho.

Quebra-cabeça para idosos

Quebra-cabeça e sua relação com o envelhecer.

Um dos maiores medos das pessoas à medida que envelhecem é perder a nitidez mental, possivelmente desenvolvendo demência, Alzheimer ou outras doenças mentais.

É inevitável que o seu cérebro perca parte de sua vibração à medida que envelhece mas, dando a seu cérebro um treino moderado com frequência, você pode ajudar a estagnar o aparecimento de alguns desses problemas.

Idosos que montam quebra-cabeça trabalham suas funções cognitivas, pois montar quebra-cabeça requer raciocínio e os idosos estimulam assim as suas funções cognitivas: percepção espacial, planejamento, função executiva, construção visual são algumas delas, muito útil para minimizar a demência leve ou demência moderada comum do Alzheimer.

Foi demonstrado que trabalhar com quebra-cabeças na velhice ajuda a reduzir o risco e a retardar os efeitos da demência entre os idosos. Estima-se que em 2050 haverá 1 bilhão de pessoas com mais de 65 anos, com cerca de 37 milhões delas com algum tipo de doença mental. Com as pessoas vivendo mais e mais a cada geração, e esse número continuará a crescer exponencialmente.

Os quebra-cabeças são jogos interessantes para idosos.

Além dos benefícios para a demência, quebra-cabeças também podem se tornar um exercício social. Idosos podem fazer quebra-cabeças com amigos e familiares, usando aquele momento para se conectar e trabalhar a saúde social, algo muito necessário na terceira idade.

Trabalhar com quebra-cabeças e outros jogos de lógica ajuda a melhorar o raciocínio, a memória e a lógica. 

Mesmo à medida que envelhecemos, ainda somos capazes de moldar nossos cérebros quando os exercitamos. O exercício melhora as funções cognitivas, variando da matemática à memória, durante toda a vida útil, e pode até beneficiar as funções cerebrais durante os estágios iniciais da doença de Alzheimer. O exercício melhora o crescimento e a sobrevivência de novos neurônios no hipocampo, uma região do cérebro essencial para a memória de longo prazo.

Os quebra-cabeças promovem uma forma de sinergia entre o cérebro esquerdo e direito, denominada pelos psicólogos como uma “abordagem completa”. Isso pode resultar em melhor memória, aprendizado mais profundo e melhor recuperação. Os quebra-cabeças atraem nossas mentes criativas e lógicas pois oferecem uma abordagem completa, envolvendo todo o cérebro do indivíduo.

Novas descobertas também indicam que existem várias outras vantagens, como melhor coordenação olho-mão e melhor auto-estima, precisamente quando a auto-estima talvez esteja em declínio.

Quebra-cabeça para idosos

Quebra-cabeça oferece uma maravilhosa ferramenta social.

Quebra-cabeças são atemporais e podem ser jogados por qualquer pessoa, jovem ou velha, pois não há nada que possa atravessar gerações como bons quebra-cabeças.

Quebra-cabeças instigam a interação e comunicação social. Montar um quebra-cabeça juntos é uma experiência agradável para todos os participantes, ajudando a manter suas habilidades sociais e de comunicação.

Por isso, para jogar um quebra cabeças, é necessário organização. Se você está jogando um quebra cabeças de montar, é importante separar as peças. Deixe o idoso separar as peças como gostar. As melhores estratégias são separar as bordas, que tem um lado reto, ou separar as peças por cores.

Quando um quebra-cabeça é finalmente concluído, há um sentimento de satisfação e a dopamina é liberada no cérebro. Essas liberações químicas são tremendamente positivas para qualquer pessoa, jovem ou velha, pois esses sistemas de recompensa são muito poderosos para os seres humanos.

Os movimentos motores também são aprimorados ao trabalhar com quebra-cabeças, deslizar, entalhar e colocar peças são benéficos para as pessoas idosas, ajudando-as, desde segurar objetos a escrita manual, pode ajudar a reduzir a trepidação.

Quebra-cabeças oferecem um exercício cerebral eficaz para jovens e idosos, com inúmeras vantagens, sejam sociais, físicas ou mentais.

Confira Vídeos Selecionados no Canal VoVsTV no YouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll Up