Certamente muitos pensam que os cuidados da família é uma grande ideia para lidar com a crescente demanda por cuidados para pessoas idosas.

Devemos cuidar de nossos pais, da mesma forma que eles cuidaram de nós quando crianças?

É uma questão de “responsabilidade natural” que as pessoas cuidem mais de seus parentes idosos. À primeira vista, existem alguns aspectos atraentes dessa visão. A ideia de um ciclo de vida é atraente, pois depois de cuidar dos filhos, receber cuidados dos filhos na velhice parece justiça natural.

Podemos lembrar as imagens de famílias com várias gerações, onde os avós ajudam com os cuidados infantis e os deveres de casa enquanto os pais estão trabalhando. Ou até mesmo da família Charlie na Fábrica de Chocolate, onde os avós dividem uma cama na sala onde todos habitam. Eles são pobres, mas felizes, vivem sem consultas de cuidados de 15 minutos ou negligência institucionalizada.

Na verdade, evitaria que idosos fossem mandados para asilos, onde raramente encontram boas experiências. Mas antes de colocarmos uma cama na sala para nossos pais e avós, vamos pensar em alguns aspectos práticos.

A população idosa enfrenta vários desafios para obter e manter muitos serviços de saúde que as pessoas com boa saúde consideram garantidos.

cuidados da família

Os cuidados da família podem apresentar problemas

Muitos de nós moramos longe de nossos pais hoje em dia, então não podemos simplesmente “dar uma olhada” neles regularmente.
Portanto, se lidar com a situação em casa não é uma opção para pais idosos, devemos decidir se eles devem romper suas redes de amizade e afinidade com um lugar, para se mudarem para perto de nós; ou se devemos desistir de nosso próprio trabalho e redes para viver com eles ou mais perto deles.
Parece não haver outra opção como passar muito tempo na auto-estrada ou cuidando à distância.

Sabemos que muitos membros da família já são cuidadores não remunerados. Calcula-se que mais de 10 milhões de pessoas no país oferecem cuidados informais, muitos dos quais são filhos adultos apoiando os pais. Cerca de metade deles também está equilibrando o trabalho de cuidado com o emprego e outras demandas familiares.

Cuidar de um ou mais pais frágeis pode ser exigente. À medida que as pessoas abordam a necessidade de serviços de cuidados formais, geralmente ficam bastante frágeis, têm necessidades complexas e isso geralmente inclui estágios avançados de demência. A casa da família de seus filhos pode não ser mais um ambiente apropriado se não houver banheiro no térreo, box amplo ou quarto acessível.

Também devemos estar cientes de quem provavelmente será encarregado dessa função de cuidar, na maioria das vezes, filhas e outras parentes do sexo feminino. Tanto o cuidado pago quanto o não remunerado são tarefas de gênero que muitas vezes cabem às mulheres.

Assistência social deve ser melhor

É claro que nem todo mundo tem filhos para cuidar deles e aqueles que têm podem não querer necessariamente ser cuidados por seus filhos, pelo menos em relação a tarefas íntimas como lavar e vestir. É falso sugerir que os adultos que cuidam dos pais tenham o mesmo tipo de relacionamento e intimidade que os pais que cuidam dos filhos. Para os adultos, é necessário negociar um tipo de relacionamento muito diferente, com o qual ambas as partes podem ter dificuldades e que pode prejudicar os laços entre elas.

O país progrediu no caminho de um estado de bem-estar, no qual bons cuidados na velhice são algo a que temos direito como parte dos direitos comuns de cidadania. Assim não devemos estar sujeitos aos relacionamentos irregulares, parciais e às vezes turbulentos que temos dentro das famílias.

É claro que muitas famílias prestam cuidados e muitas vezes em situações excepcionalmente exigentes. Porém, temos que reconhecer que os cuidados da família não é um modelo sustentável para atender à crescente demanda de uma população que envelhece.
Não devemos apelar para o modelo doméstico nostálgico e tingido de rosa que não existe mais.
Em vez disso, deve haver um sistema integrado de saúde e assistência social com financiamento adequado e justo, que reconheça direitos e responsabilidades compartilhados por todos os cidadãos.


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *