Internet das Coisas (IoT) está ajudando a sociedade a facilitar um grande desafio de atender às necessidades de uma população em envelhecimento.

Os idosos costumam ser estereotipados como sendo ruins com a tecnologia, mas eles são um dos grupos que mais podem se beneficiar com os avanços tecnológicos recentes. A Internet das coisas, na forma de carros conectados, wearables e dispositivos domésticos particularmente inteligentes, está oferecendo um número crescente de maneiras para os idosos permanecerem ativos, independentes e seguros por mais tempo.

Muitos idosos estão sendo forçados a ir para asilos porque não podem cuidar de suas necessidades básicas. A tecnologia inteligente agora os ajuda a ficar em casa por mais tempo.

A IoT está provando que a tecnologia não é exclusiva dos jovens.

Atualmente, muitos idosos já usam um dispositivo inteligente para monitorar sua pressão arterial e frequência cardíaca. Alguns deles podem até notificar um provedor de saúde ou um socorrista se algum sinal vital mudar repentinamente para níveis perigosos. Mas talvez o benefício mais importante de dispositivos IoT como esses para salvar vidas seja prevenir e detectar quedas. Enfim uma tecnologia que pode salvar a vida dos idosos e proporcionar uma aposentadoria mais digna.

A afirmação dos fabricantes da próxima geração de dispositivos de monitoramento de idosos é que eles permitirão que os idosos permaneçam em suas casas por mais tempo, vivendo de forma independente e se sentindo mais seguros, sabendo que estão sendo vigiados, mesmo que inicialmente por uma máquina.

Noventa por cento dos adultos com mais de 65 anos relatam que preferem permanecer em sua residência atual à medida que envelhecem. A habitabilidade pode ser otimizada através da incorporação de princípios de design universal.

A tecnologia  pode ser um facilitador para o envelhecimento no local.

Sensores e conectividade tornou possível o desenvolvimento de uma nova geração de sistemas de monitoramento que não exigem que a pessoa sendo monitorada (o residente) use um dispositivo. Em vez disso, redes de sensores dentro da casa se conectam a um algoritmo baseado em nuvem que aprende os padrões de vida diária do residente. O algoritmo reconhece se há um desvio que pode exigir o envio de um alerta para um smartphone ou aplicativo de mídia social para que alguém possa agir ou, pelo menos, prestar mais atenção.

Os padrões de comportamento que os sistemas de monitoramento da Internet das Coisas (IoT) são capazes de detectar e aprender incluem estas atividades:

localização do residente dentro de casa

fontes de luz sendo usadas

hora de dormir e hora de acordar

assistindo televisão

cozinhando

uso do banheiro

saindo de casa e voltando

temperatura e ajustes de aquecimento ou ar condicionado

Interações são criadas e permitem que os idosos se comuniquem com cuidadores e entes queridos por meio de bate-papo por vídeo. A interação social é uma parte importante da saúde mental, pois ajuda a manter o cérebro ativo para combater a demência e a tecnologia que permite a comunicação pode ser vital.

Leituras biométricas e rastreamento de atividades são um fenômeno crescente entre todas as faixas etárias. Embora os jovens possam estar tentando correr maratonas ou caber em seus jeans da faculdade, idosos e cuidadores também estão mais propensos a monitorar a pressão arterial para evitar hipertensão, monitorando seus batimentos cardíacos para garantir que os marcapassos ou válvulas artificiais estejam fazendo seu trabalho, e observar o açúcar no sangue para controlar o diabetes.

Tudo isso depende do movimento ou de um aparelho elétrico ou fonte sendo utilizada, mas certamente, qualquer coisa que possa reduzir o número astronômico de cuidadores humanos que seriam necessários nas próximas décadas para cuidar da explosão demográfica de idosos é bem-vinda.

Preocupações e conclusões.

É este o sistema de tecnologia que esperávamos? A Internet das Coisas está inaugurando uma nova era de proteção, segurança e independência.

Naturalmente, os idosos têm as mesmas preocupações com a privacidade e a segurança que outros consumidores têm no que diz respeito à Internet das Coisas. A coleta e o uso corporativo de dados, o potencial para hackers e simples falhas tecnológicas podem ser fatores intimidadores, e tanto as empresas de tecnologia quanto os indivíduos precisam levar esses problemas em consideração.

A promessa de independência e “envelhecimento no lugar”, em vez de em lares de idosos, supera essas preocupações para uma proporção significativa de idosos.

À medida que a população envelhece e as famílias se distanciam cada vez mais, a tecnologia se torna uma das soluções vitais para ajudar os idosos a se manterem ativos, saudáveis ​​e conectados ao resto do mundo.

A tecnologia IoT não apenas reduz a pressão sobre os serviços de saúde, mantendo os idosos em suas casas. É capaz de salvar vidas, discreto e eficaz. Permite que uma população envelhecida mantenha a sua autonomia e proporciona aos amigos e familiares tranquilidade.


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll Up